As casas de Eduardo Longo

Edite Galote Rodrigues Carranza, Gilda Collet Bruna

Resumo

Marcado pela busca por caminhos inovadores dentro da expressão arquitetônica, Eduardo Longo é visto com uma vasta produção residencial. Retrata, em seus projetos, a ousadia de romper com certos paradigmas do Movimento Moderno. Na “Casa do Mar Casado” e em seus projetos residenciais durante a fase de juventude, Longo evidencia traços característicos de liberdade nos espaços internos e de organicidade dos ambientes. A postura radical aparece depois do contato do arquiteto com as idéias semeadas na fase da contracultura, sob influência do movimento pós-moderno e do hipersensualismo. Na fase áurea de suas produções caracterizada pela experiência de criação do “apartamento bola” e seus protótipos, o arquiteto paulista estima por projetos que possam atingir um público maior. Na maturidade, retoma suas atividades produzindo casas de maior contato visual com o meio externo e urbano.

Preocupações com o usuário e valorização da privacidade; plástica singular e soluções espaciais criativas. Estas são peculiaridades das obras de Eduardo Longo que exprimem relevância ao estudo aprofundado de seu trabalho como arquiteto.

Palavras-chave

Arquitetura residencial; Residencial architecture; Arquitetura moderna; Modern architecture;
Texto publicado no Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Os comentários estão encerrados.