Elegia à Lina Bo

Vinte anos de sua morte.

Único nome feminino do

‘Olimpo’ da Arquitetura Brasileira.

Burguesa que preferiu o povo,

italiana e brasileira,

feminina não feminista,

nacional-popular não nacionalista,

outsider,

guerrilheira,

marginal.

Preferencias:

Arte erudita e popular,

Arquitetura cênica e figurinos,

Arquitetura moderna e vernacular.

Do intrigante MASP dos tempos de Faculdade,

à compreensão vinda com a profissão e  estudo sem fim,

em que só agora entendo, pouco …. mas um pouco.

Lina Bo permanece como um farol,

iluminando o caminho masculino-feminino,

de todas nós arquitetas.

Edite Galote Carranza

SP, 20 de março, 2012.

Os comentários estão encerrados.